Mastigação X Digestão

 

O processo digestivo começa pela boca através da saliva, a qual irá umedecer os alimentos e iniciar a digestão de carboidratos. A saliva tem ação antimicrobiana e antifúngica, sua função é de proteger contra os fungos e bactérias; tem um fator de proteção da mucosa, onde estimula a renovação da boca, esôfago e estômago.

Quando não ocorre a mastigação adequada dos alimentos, há uma necessidade de beber líquidos enquanto come. O esôfago acaba sofrendo pela falta de mastigação, o estômago recebe grandes volumes de refeições que terá um enorme esforço para digerí-las; ocorre a diluição do ácido clorídrico e – com todas estas questões, entre outras – inicia-se processos de má digestão, aumento do uso de antiácidos, entre outras medicações.

Na questão intestinal, não havendo uma mastigação adequada dos alimentos, macromoléculas chegam intactas ao lúmen intestinal para a circulação sanguínea, onde poderá ocorrer processos alérgicos, desencadeados pela formação antígeno-anticorpo.

Quando falamos em digestibilidade adequada, a resposta: é mastigação adequada com PH ácido do estômago em equilíbrio, formação e ação das enzimas gástricas, pancreáticas e intestinais para ajudar a digerir os alimentos, manutenção da integridade da parede intestinal e da flora intestinal e bom funcionamento do fígado e do intestino na detoxificação.

O que não podemos deixar de citar é que aditivos e conservantes desequilibram o sistema gastrointestinal, trazendo consequências alérgicas e colaborando para o aumento da permeabilidade intestinal, ou seja, má formação da parede intestinal. Junto com a má alimentação temos o conhecido problema “LEAKY GUT”.

E o que pode alterar a nossa parede intestinal?

Primeiramente a má mastigação, pouca ingestão de fibras encontradas nos alimentos, aumento de consumo de refinados e substâncias químicas, deficiência de enzimas digestivas como – por exemplo – a lactase, que age na digestão dos lácteos, proteínas como betalactoglobuline, caseína, alfa-lactalbumina, infecções causadas por parasitas, bactérias, fungos, leveduras, laxantes, drogas, sensibilidade ao glúten, fermentação intestinal, e a carência de micronutrientes como folato; zinco; vitamina A; vitamina B12; L-glutamina.

Então temos a seguinte frase “você é o que você come”, e absorver a nutrição cada vez mais nos mostra sua importância.

Antes de ter a necessidade de procurar um médico, procure um (a) nutricionista.

A prevenção é o melhor caminho para alcançar uma boa saúde.

Texto colaboração de Monica Symphoroso – Nutricionista – CRN 44330

2017-08-14T12:28:02+00:00

About the Author:

Atendimento Clínico Nutricional Avaliação, Orientação, Acompanhamento Nutricional, Detoxificação, Perda de Peso, Dislipidemia, Diabetes, Gastrite, Hipertensão Arterial, Refluxo Gastroesofágico PRAFI – PROGRAMA DE REEDUCAÇÃO ALIMENTAR FAMILIAR E INDIVIDUAL
Avada WordPress Theme