Obesidade e ou Sobrepeso Caracterizado Como Estado Inflamatório

 

Hoje se sabe que o aumento do cortisol – estresse, má alimentação, desequilíbrio da flora intestinal, falta de atividade física, intoxicação orgânica são questões importantíssimas para serem abordadas no combate da inflamação, ou seja, sobrepeso e obesidade.

O consumo exagerado de carboidratos, ou “açúcares refinados”, causam um enorme prejuízo à nossa saúde.

Para que vocês entendam melhor vou descrever o caminho e o resultado dessas substâncias no nosso organismo:

Todo alimento passa pelo processo de digestão e da absorção pelo sistema gastrointestinal, onde será enviado para a circulação sanguínea, e direcionado para as células através da insulina para gerar energia, ou seja: vida celular.

Quando ocorre o excesso de carboidrato – açúcares mais refinados – no organismo, ocorre um aumento de produção da insulina. Pelo excesso deste hormônio circulante no corpo, ele pode perder a sua função de levar glicose para as células e ficar circulante no sangue, onde passará a ter a resistência à insulina.

Com a sobra da glicose que não foi utilizada pelas nossas células, ela irá para o fígado onde se tornará gordura (esteatose hepática), causando o aumento de triglicerídeos e colesterol distribuídos pelo corpo, criando placas nas artérias, gordura visceral, abdominal e para órgãos vitais.

Doenças como diabetes, obesidade, ovário policístico, entre outras, estão associadas à resistência à insulina. Com a resistência à insulina, pessoas obesas e diabéticas aumentam a sua vontade de comer doces e seu apetite, os ossos não absorvem o cálcio, causando a osteoporose; ocorre fadiga, cansaço, dores e fraquezas, pelo fato de os músculos não trabalharem adequadamente; diminui o sistema imunológico, dando oportunidade para infecções e aumento de células cancerosas; promove os radicais livres, os quais vão atuar no envelhecimento; e, com isso, se torna uma bola de neve, causando danos à saúde do indivíduo por conta de uma alimentação extremamente ácida e mal orientada.

Mas, onde encontramos os carboidratos?

Existem os carboidratos bons e os maus; temos as frutas, raízes, tubérculos, grãos, fontes integrais.

Os carboidratos aos quais devemos ficar atentos são: lactose, farinhas refinadas, trigo (glúten) e açúcares refinados.

Portanto, uma orientação alimentar deve ser bem direcionada a cada paciente, com ressalvas em relação à saúde em que cada um se encontra. Mas, fica claro que uma boa orientação nutricional evita uma série de problemas com a saúde e, até mesmo, ajuda na recuperação dos pacientes. É preciso procurar uma nutricionista antes de adoecer, para evitar doenças crônicas, fazendo a prevenção da saúde.

Hoje a saúde no Brasil se encontra precária e vemos dia a dia nos jornais notícias de leitos cheios, crianças obesas e de pessoas cada vez mais doentes.

O papel da nutricionista não é só de remediar o problema do paciente e, sim, reeducá-lo para que tenha mais saúde através de uma alimentação saudável; mostrar que é possível ser feliz comendo alimentos saudáveis e saborosos junto com sua família.

Não esqueça, marque consulta com um (a) nutricionista antes de ficar doente.

Texto com colaboração de Monica Symphoroso

Texto de http://corpoemente.com.br/texto.php?id_artigo=6566&C=125&S=0

2017-08-14T12:16:02+00:00

About the Author:

Atendimento Clínico Nutricional Avaliação, Orientação, Acompanhamento Nutricional, Detoxificação, Perda de Peso, Dislipidemia, Diabetes, Gastrite, Hipertensão Arterial, Refluxo Gastroesofágico PRAFI – PROGRAMA DE REEDUCAÇÃO ALIMENTAR FAMILIAR E INDIVIDUAL
Avada WordPress Theme